Os vampiros da Baía secreta

27
Jul 11

A arte nasceu um dia,

Descalça e sem ninguém.

Arte foi a natureza,

Do mundo de alguém.

 

Criança do elenco da arte,

Entusiasta enlouqueceu,

Quando imagina numa noite,

Um monstro como eu.

 

Trágico homem da terra,

Por oceanos nunca desbravados,

Foi vivendo maus tempos,

Que em versos os narrara.

 

A melodia da dor, ou da alegria,

Os traços de um cinzel, ou pincel,

Num painel, num palco, ou numa tela.

É a representação natural de um papel.

 

Papel em cinzas se transforma,

Como o castiçal que os elaborou.

 Artista que imortal nunca se mostrou,

Além das obras em que viajou.

 

Pasmados os homens ficaram,

Quando a verdadeira arte, os sobressaltou,

 A natureza da vida,

Que o único artista, elaborou!

 

Cristóvão Marquez

 

11-05-1990

publicado por crimenobairro às 23:42

Julho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
28
29
30

31


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

4 seguidores

comentários recentes
http://intervaloparacafe.blogs.sapo.pt está a torn...
Olá,É só para desejar umas Boas Festas e um óptimo...
Quem identificar o pais, que serviu de inspiração ...
esquecemo-nos com frequência, que a determinação t...
Adorei,mesmo,e já a segunda vez que deixo comentár...
Adorei este poema, talvez porque me diga algo rela...