Os vampiros da Baía secreta

05
Jul 08

  

Sentimento 

  

A leveza do sentimento pode ser loucura,

O raiar do sol ternura.

A vingança, a sede da bravura,

Mas nos caminhos estreitos da escuridão,  

Sentem-se os passos do funâmbulo sob o arame,

Soletram-se, palavras de uma antiga escrita,

Onde a decifração não podemos falhar,

É como no circo, onde seres místicos alucinados,

Andam numa dança perigosa sob o abismo,

Tornando a vida grande:

Voo, enigma e perigo, 

Exactidão, equilíbrio e medida,

Rendidos á realidade.

No circo, atravessamos o espelho,

Ao encontro de uma história que nos conte,

Os palhaços, são perversos e gentis,

Com o gesto, de simpatia que nos sorri,

E, o rosto pintado de indiferença,

Cercando o sonho de todos nós,

Como o mágico, que com um gesto nos desmente,

O cenário virtual que nos alimenta.

Ou como o arco do tempo que dispara a luz,

Que como uma sombra nos apaga.

As nossas angústias tornam-se imagens.

As certezas, vislumbres.

As sensações, cores.

E a nossa tensão, é tão densa que se pode tocar. 

Eu sei, que não há maior encantamento do que o olhar

O que é mais alto, que o medo.

É como se lembrasse o que fui antes de fazer da vida,

O que a vida fez de mim. Construir uma fortaleza

Contra a vida que se nega, negando-nos.

 

Cristóvão Marquez

                       14-06-2007

 

 

publicado por crimenobairro às 15:55

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Julho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

4 seguidores

comentários recentes
http://intervaloparacafe.blogs.sapo.pt está a torn...
Olá,É só para desejar umas Boas Festas e um óptimo...
Quem identificar o pais, que serviu de inspiração ...
esquecemo-nos com frequência, que a determinação t...
Adorei,mesmo,e já a segunda vez que deixo comentár...
Adorei este poema, talvez porque me diga algo rela...