Os vampiros da Baía secreta

05
Jul 08

                             Infantil e adolescente

                         

                                                                     O sentimento, é dor

                                            A dor, é poder,

                                                   O poder!...

                                                    Mais afrodisíaco da natureza.

                                                    Nos adolescentes aventureiros

                                                    A rebeldia, é denominador comum

                                                    Os sonhos irreais, os poderes sub naturais

                                                   São fantasias do mais mortais…

                                                   Os amores encantados,

                                                   Das belas e doces princesas,

                                                   Com centos de histórias para contar

                                                   Aos príncipes amaldiçoados.

                                                   É nesta altura que tudo começa,

                                                   Como começam as coisas grandes

                                                   Com um sonho maravilhoso.

 

                           Cristóvão Marquez                                       

   16/10/2007

 

publicado por crimenobairro às 17:09

Conhecer-te”

 

Não é assim tão difícil ser feliz…

Liberta-te, ousa-te, não penses, sente!!!

Provoca-me, escandaliza-me, surpreende-me!!!

Hoje e agora, faz o que quiseres de mim, choca-me!!!

Quero-te Mulher com M grande!!! AGORA, já…

Não troco estes meus momentos, de loucura…

Por Nada no Mundo, NADA…

Preciso destes devaneios como do ar para respirar…

Sabes uma coisa?

Está mesmo tudo cá dentro,

Na forma como olhamos o que nos rodeia…

Uma mistura de responsabilidade e maturidade mental,

Com juventude e vitalidade,

Assim vejo, um ponto de consolidação,

Para melhor viver o futuro…

Os olhos, esses estão presos, os meus aos teus,

Sem tensão mas inamovíveis…

Bebo devagar, propositadamente…

Para ler os arcos das íris dos teus olhos mágicos…

E não me deixas olhar, bem de frente…

Enfrentas-me a demora no olhar…

Olhamos com presença,

Simplesmente a saber-nos frente a frente,

No pequenos espaço onde nos encontramos…

Olho-te ainda, mas pego no copo,

Desiludindo a entrega da tua espera…

Mas não, não vou beber…

Que faço eu com este gesto?

Sonhei…

A bebida estampava-se indecentemente no teu decote,

Salta, salpica tudo, desfaz-se no ar, escorre por ti toda,

Entranha-se em doce-salgado pelas tuas roupas limpas e frescas…

Tu continuas a olhar-me em desafio, desprotegida mas segura,

A ver se sou capaz de fazer pior,

Se terei a coragem para tal…

Quero acabar a bebida em ti, o doce champanhe…

Obrigar-me, a ir buscar com os lábios e a ponta da língua,

Cada gota que te modificou o cheiro da pele,

Mas não quero deixar de te olhar,

Não quero perder o desafio…

Estendes a mão esquerda solenemente,

Alcanças decidida e friamente,

O interruptor da luz do teu quarto!...

Os nossos olhos, deixam de se ver de repente…   

Mas os nossos cheiros, e os nossos sabores,

Cumprimenta-se furiosamente,

Nunca te esqueço…

 

Cristóvão Marquez

                       07-02-2008

publicado por crimenobairro às 17:07

                    Aqui, Basto eu!..

 

                                   Nas tuas entranhas,

                                    Lágrimas, correram,

                                   Leitos de sangue,

                                   Transformaram-se,

                                   Em regatos

                                   Aos quatro cantos,

                                   Do mundo,

                                   Gritas-te!...

                                   Aqui, Basto eu!...

                                   Aqui, Basto eu!...

                                   Guerreiro,

                                   Guerreiro andante,

                                   Assim, te defendeu,

                                   Por vossa história,

                                   Heroicamente revelas-te,

                                   A Natureza,

                                   O Perfume,

                                   Que debruças-te

                                   O teu seio, ofereceste-me

                                   Para que eu,

                                   Neste mundo murmurasse,

                                   Terra prometida.

                                   Terra encantada,

                                   Vila enamorada,

                                   Maravilha,

                                   Minha amada.

                                  

                                   Cristóvão Marquez                

                                   25-05-1986

 

publicado por crimenobairro às 16:59

                   Cabo Verde, Sal 2006

 

                                  Só a estrela, será testemunha

                                  da ansiedade do conhecer.

                                  A noite será madrinha,

                                 da profundidade do prazer.

 

                                  Das entranhas dos vales,

                                  Dos seios das montanhas,

                                  O horizonte alcançado,

                                  Abraçando, o Sal enamorado.

 

                                  A tarde cai, com a magia da caipirinha.

                                  A tarde vai, com a nostalgia.  

                                  A noite perde-se com a folia.

                                  A noite desaparece, amanhece a morenia.      

 

                                  Só a estrela, será testemunha,

                                  da ansiedade do conhecer.

                                  A noite será madrinha,

                                 da profundidade do prazer.

                       

                                  A libertação, dos encontros finais.

                                  Os olhares ternos, dos desejos fatais. 

                                  A permuta de abraços, com a promessa da telefonia.

                                  O sorriso safado do Sol, levado por a ventania

 

                                  Ai, ai, Cabo Verde, que já lá vais.

                                  Ai, ai, Baia, que estás na pontaria.

                                  Noite tropicana, da Baia

                                  São prazeres, da minha fantasia.        

 

                                  Só a estrela, será testemunha,

                                  da ansiedade do conhecer.

                                  A noite será madrinha,

                                 da profundidade do prazer.

 

          Cristóvão Marquez                             

                                  01-12-2006

 

publicado por crimenobairro às 16:56

Eras tu, Mulher!

 

Procurei-te em vários lugares.
Em bosques encantados,
em grutas de fantasmas assombrados...
Tentei tudo para te alcançar,
invoquei a magia das fadas,
fiz feitiços com o luar,
mas, nada me levou até ti.
Toquei rostos,
ouvi músicas.
pintei quadros com aguarelas
de sonhos e ilusões de crianças,
vendo no seu rosto ingenuidade
carinho, doçura e conforto,
mas, também não estavas aí...
Depois, parei, ouvi e senti.
Ouvi murmurar a tua voz
baixinho como uma brisa,
ténue como a luz do Sol
ao anoitecer,
senti de ti um aroma de flores
tímido e assustado
dizendo-me que eras tu, Madalena!
Finalmente percebi
que tu estavas ali,

Estarás, sempre nos meus olhos,
e irei gostar sempre de ti,

Estejas tu, onde estiveres!

 

Cristóvão Marquez

                        23-12-2007

publicado por crimenobairro às 16:54

                 Ser teu amigo, é!...                 

 

                              Compreender o mundo,

                              Um mundo que é só teu.

                              È ser-te fiel, aos sentimentos,

                              E nunca, te sentires traída,

                              Nos, teus pensamentos,

                              È teres alguém,

                              Com quem compartilhar,

                              E poderes desabafar,

                              Tudo o que te vai na alma.

                              È ouvires uma voz amiga,

                              Para não te perderes, na solidão,

                              Encontrando alguém,

                              Que pode dar-te, a compreensão.

                              È sentires a leveza de outros tempos,

                              Em que na vida, não tinhas pensamentos,

                              Apenas sonhos, e acontecimentos.

                              È ajudar-te a encontrar um caminho,

                              Numa encruzilhada.

                              É encontrares o que nunca perdes-te,

                              Vezes sem conta procuras-te, e estava lá

                              Tu é, que não identificaste.

                              È ajudar, a tornar-te o desejo possível.   

                              Entrando em ti,

                              E fazendo parte do teu ser·                                

                              È ser-te verdadeiro,

                              Amigo e companheiro.

 

                              Cristóvão Marquez

                              30-06-2007

 

 

publicado por crimenobairro às 16:51

                  Nascemos para vencer

 

                                 Nem sempre somos compreendidos,

                                 Na necessidade que temos em vencer

                                 Faz parte do nosso ser, o crer,

                                 Crescermos, e nos enaltecer   .

                                 Por vezes, acordados sonhamos

                                 Em crer dominar o mundo,

                                 Traríamos paz, amor e igualdade,

                                 Alegrias e fantasias,

                                 Á vida de todos os dias.

                                 Existe dentro de nós,

                                 A mágoa, da desigualdade,

                                 Corremos mundo,

                                 Atrás da felicidade.

                                 Somos loucos, e explosivos,

                                 Quando alguém nos derrota.

                                 O sentimento de revolta, é profundo

                                 Sentindo a necessidade de invertermos,

                                 Para isso lutamos, diariamente,

                                 Com todas as forças,

                                 Quem nem imaginamos, que possuímos.

                                 Acreditamos, na teoria da relatividade,

                                 E partimos do principio,

                                 Que todo o ser, é igual.

                                 Uns esforçam-se, e evoluem

                                 Outros não passam,

                                 De parasitas da sociedade.

                                 Acreditamos, num ser supremo

                                 Que não identificamos.

                                 Tentamos compreender,

                                 Tudo, o que nos é transcendente.

                                 Será que há assim, muita gente,

                                 Ou seremos nós,

                                 Loucos para sempre!...

                                

                                Cristóvão Marquez

                                 21-06-2007

 

publicado por crimenobairro às 16:46

             Mulher 

 

Mulher cor da vida,

de uma sociedade em democracia.

Mulher lírio de pântanos cinzentos,

como a rosa de pérolas perfumadas,

no seio de um jardim maltratado.

Ser-se tão feminina, querida e bela,

única em dar luz, a rebentos puros de vida.

Só o machismo de rochedos te maltratam,

não permitindo a libertação,

das correntes do isolamento.

És única no poder de sedução,

és inteligente na ambição.

Seduzindo a sociedade com delicadeza,

libertando-te para a competitividade,

pl’ a profissionalização.

Oferecemo-vos uma rosa,

Como símbolo da razão. 

 

Cristóvão Marquez

8 de Março de 2004

 

 

publicado por crimenobairro às 16:15

Beleza

 

Longe da civilização, a beleza emergida no oceano

Perdida na multidão a cidade nua de decoração

Povos passados a enfeitiçaram

Hoje é símbolo de uma nação

 

Sereias a esculpirem o mais belo, em tardes de Janeiro

Foi em tempos passados ao largo do rio

Hoje esculturas vivas a fazem alegrar

Em dia de Carnaval a bailar

 

Sonhei perde-me, ao conhecer-te

Entre o corcovado e o horizonte,

Nas escarpas rochosas do açúcar.

Ou nas vidas activas de Copacabana.

 

Em dia cinzento e viscoso

A caminho da beleza entre águas emergida

No seio do ninho entre irmãs

Senti a ilha do teu nome

 

 Sois Belas, mais belas que o sol no horizonte,

Apaixonei-me por o mistério, a indiferença.

Da janela aberta da visão

Para sentimentos de outra dimensão

 

A sensibilidade da natureza

Nas mãos da erosão, ou da fortaleza.

É a teia da vida

De quem tem alma, mas não coração.

 

Cristóvão Marquez

                       10-06-2007

publicado por crimenobairro às 16:13

A realidade aos meus olhos!

 

Minha querida,

A diferença está patente,

Uns enfrentam,

Não se esquecem das pessoas que o rodeiam.

Outros isolam-se de tudo e todos,

Pensando assim resolver as situações mais complicadas

É obvio, que quem se fecha em si próprio.

Nunca vai ser incomodado,

Porque não incomoda…

Ao contrário, quem vai á luta…

Incomoda, e é incomodado…

Pois, traça normas e regras,

Que cumpre e faz cumprir

Para ter sucesso….  

E como não pode agradar

A gregos e troianos…

Á sempre alguém, a criar obstáculos…

Mas é aqui que se marca a diferença

Sendo determinado…

Solucionando, e ultrapassando as barreiras…

Mas nunca desistindo.

Minha amiga,

Não lideres projectos…

Porque se o fizeres,

Vão ser fracassados…

Demonstras-te que ao primeiro problema,

Vais desistir, e perder tudo…

O que construís-te até então.   

 

Cristóvão Marquez

                        5-6-2008  

publicado por crimenobairro às 16:10

  

Sentimento 

  

A leveza do sentimento pode ser loucura,

O raiar do sol ternura.

A vingança, a sede da bravura,

Mas nos caminhos estreitos da escuridão,  

Sentem-se os passos do funâmbulo sob o arame,

Soletram-se, palavras de uma antiga escrita,

Onde a decifração não podemos falhar,

É como no circo, onde seres místicos alucinados,

Andam numa dança perigosa sob o abismo,

Tornando a vida grande:

Voo, enigma e perigo, 

Exactidão, equilíbrio e medida,

Rendidos á realidade.

No circo, atravessamos o espelho,

Ao encontro de uma história que nos conte,

Os palhaços, são perversos e gentis,

Com o gesto, de simpatia que nos sorri,

E, o rosto pintado de indiferença,

Cercando o sonho de todos nós,

Como o mágico, que com um gesto nos desmente,

O cenário virtual que nos alimenta.

Ou como o arco do tempo que dispara a luz,

Que como uma sombra nos apaga.

As nossas angústias tornam-se imagens.

As certezas, vislumbres.

As sensações, cores.

E a nossa tensão, é tão densa que se pode tocar. 

Eu sei, que não há maior encantamento do que o olhar

O que é mais alto, que o medo.

É como se lembrasse o que fui antes de fazer da vida,

O que a vida fez de mim. Construir uma fortaleza

Contra a vida que se nega, negando-nos.

 

Cristóvão Marquez

                       14-06-2007

 

 

publicado por crimenobairro às 15:55

 

 

Festa na Aldeia

 

Almas riam de alegria,

Era véspera… de tão esperado dia.

O sol cai-a, não tardava a noite…

Para no adro, Esquecer as latinas do azeite

Que Paz! Nem uma árvore bulia,

A não ser o povo que todo mexia.

Quando passei por ali,

Diziam baixinho, e eu li,

Festa em honra do santo,

Não me recordo o nome, mas vi o busto,

Enfeitado de leves sedas,

Junto moças lhe entregavam suas tristezas.

Ao lado, uma fogueira…

E uma pobre velha, toda gaiteira…

- Ó ti´Maria; Ó Tonho.

À noute v´á festa, é de sonho

- Atão na vou!...

Logo eu, s´tá claro que vou!..

Fui j´á acostureira…

À duzeca, á Sulmira…

Amanhar uma sainha,

Sabe com´a é Letinha!...

- Olhe tá´i, o rancho e uns caojuntos,

P´ra dar-mos a´pé juntos.

Os altifalantes badalaram,

E a toda a gente enganaram,

Aparecia o povo enfatiado,

Como se fosse a um baptizado.

Chegavam meia dúzia de engravatados,

Logo se acomodaram como felizardos,

Ganhariam… uma nota preta,

Aquela gente que caiu na treta.

Tudo arranjado, mais parecia uma constelação,

Dali a pouco deu-se uma revolução,

Esperavam o malhão, ou o Português de Braga,

E não aquela maldita praga…

Estrangeira, Pop, da inovação!...

Para um Povo, que não tem essa vocação.

È como o mundo fazer penitencia

Na sua inteira inocência.

Ao longe perdia-se em passos lentos,

O povo a dizer os seus mandamentos…

 

Cristóvão Marquez

22 -05-1992

 

 

publicado por crimenobairro às 15:49

                                     Crime no Bairro

 

                              Será? Num pequeno bairro das Europas,

                                      Ouvem-se gemidos, trazidos por marés,

                                      Serão vozes de povos, ou de Moisés…

                                      Contra os crimes, de, o és Cachopas

 

                                      Só Mates, e, o cenário galáctico,

                                      Da vida, que nada dura para sempre,

                                      A teimosia, das aldrabices do político,

                                      Das filosofias, do movimento da mente…

 

                                       Kant e Aristóteles,

                                       Homens de letras e pensamentos…

                                       Moisés e Sócrates,

                                       Teóricos dos dez mandamentos…

 

                                       O povo do bairro sul, afia os olhos,

                                       Olhando a norte, o bairro das esmeraldas,

                                       Sem o betão, para as caminhadas,

                                       Orgulha-se, dos mimos aos seus povos,

 

                                       A norte do Trópico, continuam as fainas,

                                       Do mar, da terra, o povo aconchegas!...

                                       Aos homens de Einstein, ficou reservado,

                                       A invenção das tecnologias, do mais avançado.    

                                                                                                          

                                        A sul, o crime dos pacóvios…

                                       Matam a natureza, abrilhantam a mesa,

                                       Com a dor, da fome fresca e tesa,

                                       Levando sua raça para os manicómios.·   

 

                                                    Cristóvão Marquez

                                       03-06-2008    

 

publicado por crimenobairro às 15:45

JmModels - Desfile 2004
Crime no Bairro
PUB
Ligações
Facebook MySpace Blogspot Hi5 Reliquia D'alma

Hicon JmModels Essencia Exotica Hi-K

Tango Club Hicon Jm Fotos Helle Es +
Dezembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
30
31


JmModels - Desfile 2008



JmModels Fotos

mais sobre mim
Paisagens de Portugal
Tango - Turismo e Eventos
Helle És +
Portugal
Por do Sol - www.jmfotos.eu
Paisagens Mundiais
comentários recentes
http://intervaloparacafe.blogs.sapo.pt está a torn...
Olá,É só para desejar umas Boas Festas e um óptimo...
Quem identificar o pais, que serviu de inspiração ...
esquecemo-nos com frequência, que a determinação t...
Adorei,mesmo,e já a segunda vez que deixo comentár...
Adorei este poema, talvez porque me diga algo rela...
JmModels - Desfile 2004
Crime no Bairro
Portugal
Paisagens Mundiais